Venda de armas dispara 135% nos EUA, diz entidade

A venda de armas de fogo disparou no mês de julho nos Estados Unidos, aumento atribuído por lojistas às preocupações dos americanos com os atos violentos de movimentos como Antifa e Black Lives Matter que ocorrem há meses no país e a ameaça de retirada de recursos das polícias.

Segundo o FBI, 3.619,224 de checagens de antecedentes foram feitas no National Instant Criminal Background Check System (Sistema Nacional de Checagem Instantânea de Antecedentes Criminais do FBI). Em julho de 2019 foram feitas 2.030,661, um aumento de 78,2%, de acordo com o departamento.

Em 2020, já foram realizadas 22.819,271 checagens ao sistema, um aumento de 44% em comparação com o mesmo período do ano passado, quando 15.890,359 consultas haviam sido feitas até julho. As consultas ao NICS também são feitas para transferências de armas de fogo de uma pessoa para outra e para aqueles que solicitam licenças de porte.

A Small Arms Analytics & Forecasting, uma empresa de pesquisa, estimou que 2 milhões de armas foram realmente vendidas em julho – um aumento de 135% em relação ao que a entidade registrou em julho de 2019.

Vendas online de armas e munições

Na loja online de armas de fogo Brownells, uma das maiores do país, as vendas de armas aumentaram 90%, lideradas por pistolas e revólveres. As vendas de munição aumentaram 30% e o volume de tráfego no site da empresa aumentou cerca de 60%.

“A incerteza está definitivamente impulsionando as vendas de armas de fogo, munição e acessórios no momento. Com as conversas sobre a retirada de recursos da polícia, uma pandemia nacional que está pressionando os serviços de emergência, é a ‘tempestade perfeita’ para incerteza, e estamos vendo pessoas de todo o espectro político se voltando para a posse de armas de fogo pela primeira vez. Na Brownells, vimos um aumento de 90% nas vendas de pistolas e revólveres, um aumento de 30% nas vendas de munições e o tráfego no site continua superando o normal “em cerca de 60%. No momento, o mercado de armas de fogo é realmente limitado apenas pela oferta, à medida que os fabricantes da indústria trabalham para recuperar o atraso”, disse o porta-voz de Brownells, Ryan Repp, à Washington Examiner.

Uma visita da publicação na semana passada a três lojas de armas na Virgínia encontrou duas com apenas um punhado de armas à venda e uma terceira em que munições foram varridas das prateleiras no minuto em que foram estocadas.

O que você pensa sobre esse assunto?