No Reino Unido, Pompeo sugere coalizão de aliados contra a China

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, elogiou a posição dura do Reino Unido sobre a China, e sinaliza que aliados estão planejando uma ação mais coordenada contra Pequim.

Pompeo disse que quer construir uma “coalizão” que entenda a “ameaça” representada pela China, depois de conversas com o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, em Londres nesta terça-feira (21). Em uma conferência de imprensa após a reunião, Raab sugeriu que outras ações no nível do G7 podem ser adotadas.

Pompeo conversou com o primeiro-ministro Boris Johnson e o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab sobre uma série de questões relacionadas à China, incluindo a lei de segurança nacional de Hong Kong, a gigante chinesa de telecomunicações Huawei e a pandemia global causada pelo coronavírus.

Os Estados Unidos querem que todas as nações que valorizam a liberdade e a democracia “entendam essa ameaça que o Partido Comunista Chinês representa” e “trabalhem juntas para resistir contra os esforços do Partido Comunista Chinês”, disse.

“Espero que possamos construir uma coalizão que entenda essa ameaça e trabalhe coletivamente para convencer o Partido Comunista Chinês de que não é do interesse deles se engajar em tal comportamento”.

O secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse que o país quer trabalhar com os Estados Unidos e outros parceiros internacionais “para proteger nossas liberdades e interesses e, como mostramos em Hong Kong, defender nossos valores”.

“Em toda a gama de desafios internacionais, dos quais existem muitos, reconhecemos que somos sempre muito mais fortes e sempre mais eficazes quando trabalhamos juntos. E é isso que continuaremos a fazer nas próximas semanas e meses ”, afirmou.

Durante a visita, Pompeo também deve conhecer Nathan Law, ativista democrático de Hong Kong, que fugiu para Londres após a imposição da lei de segurança e o último governador britânico de Hong Kong, Chris Patten.

Pompeo visitará a Dinamarca em 22 de julho. Ele se encontrará com o primeiro-ministro dinamarquês Mette Frederiksen para discutir a pandemia, a China e outros assuntos.

O que você pensa sobre esse assunto?