Maioria dos americanos aprova envio de forças federais para cidades violentas

A maioria dos eleitores americanos aprova a decisão do presidente Donald Trump de usar agentes federais para combater a onda de violência em algumas grandes cidades do país.

A última pesquisa nacional feita por telefone e on-line da Rasmussen Reports revela que 55% dos prováveis eleitores americanos (aqueles registrados para eleição desse ano) acham que forças federais devem ser usadas para combater a crescente onda crimes violentos em diversas grandes cidades, uma vez que as cidades parecem incapazes ou não querem lidar com o problema. Trinta e seis por cento (36%) se opõem a essa ajuda federal anti-crime

Oitenta porcento (80%) dos republicanos são favoráveis ao uso de forças federais nessas cidades, atualmente administradas por políticos democratas. Os democratas com uma margem de 53% a 39% se opõem. Entre os eleitores não afiliados a nenhum dos principais partidos, 48% querem que os federais se envolvam; 39% não.

Cinquenta e um por cento (51%) de todos os eleitores concordam que as políticas e práticas do governo incentivam o crime violento em algumas cidades e estados mais do que em outros. Apenas 24% discordam, enquanto outros 24% estão indecisos.

Sessenta e seis por cento (66%) dos americanos se opõem à redução do orçamento da polícia na comunidade em que vivem. Sessenta e um por cento (61%) acreditam que crimes violentos aumentam em comunidades que retiram recursos da polícia.

Sessenta e quatro por cento (64%) de todos os americanos estão preocupados com a possibilidade das crescentes críticas à polícia levarem à escassez de policiais e reduzirem a segurança pública na comunidade em que vivem.

Em janeiro de 2017, quando Trump propôs o envio de policiais federais para Chicago para ajudar a conter sua crescente taxa de homicídios, apenas 36% dos eleitores acharam que isso era uma responsabilidade federal. Cinqüenta e seis por cento (56%) disseram que combater o crime local era mais uma responsabilidade estadual e local.

O que você pensa sobre esse assunto?