EUA prendem ex-militar americano por espionar para Rússia

Um homem de Gainesville, Virginia, foi preso na sexta-feira (21) por conspirar com agentes da inteligência russa fornecendo a eles informações de defesa nacional dos Estados Unidos.

De acordo com os autos do tribunal, de dezembro de 1996 a janeiro de 2011, Peter Rafael Dzibinski Debbins, 45, ex-membro do Exército dos EUA, supostamente conspirou com agentes de um serviço de inteligência russo. Durante esse tempo, Debbins visitava periodicamente a Rússia e se reunia com agentes de inteligência russos. Em 1997, Debbins recebeu um codinome dos agentes da inteligência russa e assinou uma declaração atestando que queria servir à Rússia.

“Duas prisões por espionagem na semana passada – Ma no Havaí e agora Debbins na Virgínia – demonstram que devemos permanecer vigilantes contra a espionagem de nossos dois adversários mais maliciosos – Rússia e China”, disse John C. Demers, Procurador-Geral Adjunto de Segurança Nacional . “Debbins violou seu juramento como oficial do Exército dos EUA, traiu as Forças Especiais e colocou em risco a segurança nacional de nosso país ao revelar informações confidenciais aos oficiais da inteligência russa, fornecer detalhes de sua unidade e identificar membros da equipe das Forças Especiais para a inteligência russa tentar recrutar como espiões. Nosso país depositou sua maior confiança neste réu, e ele assumiu essa confiança e a transformou em uma arma contra os Estados Unidos”.

“Nossos militares têm a incrível responsabilidade de proteger nossa nação de seus adversários, e seus membros do serviço fazem sacrifícios incríveis no exercício desse dever”, disse G. Zachary Terwilliger, procurador dos EUA para o Distrito Leste da Virgínia. “Quando membros do serviço conspiram para fornecer informações confidenciais aos nossos adversários estrangeiros, eles traem os juramentos que fizeram a seu país e a seus companheiros de serviço. Conforme esta acusação reflete, seremos firmes e obstinados em responsabilizar esses indivíduos. ”

Ao longo da conspiração, Debbins supostamente forneceu aos agentes de inteligência russos informações que obteve como membro do Exército dos EUA, incluindo informações sobre suas unidades químicas e das Forças Especiais. Em 2008, depois de deixar o serviço ativo, Debbins revelou aos agentes de inteligência russos informações confidenciais sobre suas atividades anteriores, enquanto destacado para as Forças Especiais. Debbins também forneceu aos agentes de inteligência russos os nomes e informações sobre seus ex-membros da equipe das Forças Especiais, para que os agentes pudessem avaliar se deveriam abordar os membros da equipe para ver se eles cooperariam com o serviço de inteligência russo.

Debbins é acusado de conspirar para fornecer informações de defesa nacional dos Estados Unidos a agentes de um governo estrangeiro. Se for condenado, Debbins pode enfrentar a pena máxima de prisão perpétua. As sentenças reais para crimes federais são normalmente menores do que as penas máximas. Um juiz do tribunal distrital federal determinará qualquer sentença após levar em consideração as Diretrizes de Sentenciamento dos Estados Unidos e outros fatores legais.

Ex-agente da CIA é preso espionando para China

Alexander Yuk Ching Ma, 67 anos, ex-agente da CIA, foi preso na sexta-feira (14/08), sob a acusação de conspirar com um parente seu, que também era ex-agente da CIA para repassar informações confidenciais nível ‘Top Secret’ para funcionários de inteligência da China.

Mulher de Ohio roubava segredos de hospital infantil para a China

Uma ex-residente de Ohio, Li Chen, 46, se declarou culpada quinta-feira (31/07) por videoconferência no Tribunal Distrital dos EUA por conspirar para roubar segredos comerciais científicos e conspirar para cometer fraudes eletrônicas relacionadas à pesquisa, identificação e tratamento de uma variedade de condições médicas pediátricas, anunciou o Departamento de Justiça.

“Mais uma vez, vemos a República Popular da China (RPC) facilitando o roubo da engenhosidade e do trabalho árduo de nossa nação como parte de sua busca para roubar, replicar e substituir qualquer produto que eles não tenham capacidade de desenvolver”, disse John C. Demers, procurador-geral adjunto de Segurança Nacional.

Pesquisador da Harvard é preso por sonegar valores recebidos da China

O ex-diretor do Departamento de Química e Biologia Química da Universidade de Harvard foi acusado na terça-feira (28/07) de sonegação fiscal por não reportar os rendimentos que recebeu da Universidade de Tecnologia de Wuhan (WUT) em Wuhan, China.

Charles Lieber, 61 anos, foi indiciado por um grande júri federal em Boston por duas acusações de fazer e assinar uma declaração falsa de imposto de renda e duas por não apresentar relatórios de bancos e contas financeiras estrangeiras (FBAR) junto ao Internal Revenue Service. (IRS) – a Receita Federal americana. Em junho de 2020, Lieber foi indiciado por duas acusações por fazer declarações falsas às autoridades federais.



FONTES: Departamento de Justiça dos EUA

O que você pensa sobre esse assunto?